Incontinência urinária

A incontinência urinária é a perda involuntária de urina, quando a pressão no interior da bexiga supera a resistência da uretra. Acontece geralmente após a realização de esforços físicos, tosse ou espirro; neste caso, chama-se incontinência urinária de esforço (IUE). O principal fator de risco para esta sitiuação clínica são os partos vaginais, seguido de obesidade e menopausa, quando o hormônio estrogênio se esgota e daí o tecido urogenital perde a lubrificação dada anteriormente pelo mesmo. Outra forma de incontinência urinária é a incontinência de urgência, na qual a paciente perde urina involuntariamente, por defeito na inervação do músculo da bexiga. Trata-se da chamada Bexiga Hiperativa. Existem outros tipos menos comuns, como Bexiga Neurogênica, por lesões neurológicas e incontinência contínuas por fístulas.

O diagnóstico correto do tipo de incontinência depende inicialmente de uma boa e longa conversa com o médico, de um exame físico bem feito e, se for o caso, da realização de um exame chamado Urodinâmica, o qual é importante na diferenciação diagnóstica entre os diferentes tipos de incontinência, no sentido de direcionar melhor o tratamento. Em casos de incontinência e prolapso,  a correção cirúrgica do prolapso é o passo inicial. Muitas vezes a incontinência melhora por conseguinte. Se a incontinência persistir, em segundo momento realiza-se a correção cirúrgica   da mesma, se esta for a indicação.

A fisioterapia para fortalecimento do assoalho pélvico é também importante e, se bem feita e mantida com exercícios frequentes, pode resolver o problema da incontinência por bexiga hiperativa e, às vezes, da incontinência por esforço também. O uso de hormõnio vaginal, lubrifica e restaura a mucosa urogenital promovendo muitas vezes melhoras expressivas dos sintomas de incontinência.

Em casos de incontinências por esforço, com diagnóstico comprovado, o uso de pequenas telas (também chamadas de faixas ou  slings) sintéticas de prolipropileno através de cirurgias tem mostrado resultados muito bons e supera significativamente as cirurgias realizadas no passado . 

É importante que a paciente não omita ao seu médico o sintoma de incontência urinária. Muitas pacientes têm vergonha de falar sobre o assunto e muitos médicos não as interrogam também sobre o mesmo. A qualidade de vida melhora sobremaneira, quando o tratamento correto é instituído em um diagnóstico bem feito.