DSTs

As  DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis) são um grupo de doenças bastante variáveis que são transmitidas principalmente, mas não exclusivamente, através de relações sexuais, em particular as relações não protegidas. As suas manifestações são bastante variáveis. Podem se manifestar como úlceras (Exemplo: o herpes), corrimento (Exemplo: Gonorréia, tricomoníase), verrugas genitais (Exemplo: HPV, o papilomavírus). Muitas destas doenças podem cursar sem sintomas na região genital, como no caso das sífilis, da infecção pelo HIV e pelos vírus da Hepatite B e Hepatite C. 

É importante lembrar que estas doenças podem estar associadas a complicações sérias, muitas vezes fora do sistema genital. A gonorréia e a clamídia são infecções que, quando complicadas, podem levar à esterilidade. A sífilis pode ficar incubada por anos, e levar a problemas durante a gestação, sendo passada para o feto, e também a longo prazo, atacando coração, cérebro e outros órgãos relevantes. O HIV leva, depois de anos, a baixa de defesas do organismo, e as hepatites B e C, caso se cronifiquem, podem lesar de forma bastante grave o fígado.

Hoje em dia existem diversos protocolos internacionais e técnicas para prevenção e tratamento destas doenças. Existe vacina para a hepatite B e para o HPV. Em caso de contato de risco, existem medidas para redução da chance de aquisição destas doenças. Todas elas podem ser tratadas, a maioria delas podem ser curadas, outras podem ser controladas de forma bastante efetiva e segura através de medicamentos.  

A prevenção destas doenças, em primeira instância, passa pelo uso do preservativo nas relações sexuais. É importante ter isso sempre em mente e manter a frequência ao ginecologista, para o controle e tratamento  precoce de eventuais contágios.